• Observatório Social

Presidência gasta R$ 2,5 milhões com vigilância e segurança

Com o recente escândalo envolvendo o presidente Michel Temer, a segurança do Planalto agora se tornou mais do que essencial. A Presidência da República não perdeu tempo e reservou R$ 2,5 milhões para a prestação de serviços de vigilância e segurança. No valor estão incluídos 12 vigilantes desarmados diurnos, 12 vigilantes armados diurnos e 12 vigilantes armados noturnos.


Alimentos industrializados A Presidência também empenhou R$ 11,8 mil para compra de alimentos industrializados de consumo humano. Na lista de compras estão 235 unidades de manteiga com sal de 200 gramas, 130 kg de peito de peru defumado, 45 kg de queijo tipo minas frescal, 75 kg de queijo minas meia cura, 200 kg de queijo tipo muçarela, 30 unidades de requeijão cremoso e outras 30 unidades de requeijão cremoso light.


Manutenção A Câmara dos Deputados, por sua vez, ainda reservou R$ 1,4 milhão para prestação de serviços continuados na área de manutenção em equipamentos gráficos industriais, de refrigeração e de transporte vertical e horizontal. O valor vai atender despesas de 16 de maio a 31 dezembro de 2017.


Transporte no TCU O Tribunal de Contas da União (TCU) garantiu o transporte nesta semana. A Corte vai destinar R$ 655,7 mil para prestação dos serviços continuados de transportes, incluindo veículos e motoristas, devidamente habilitados para transporte de pessoas em serviço, materiais, documentos e pequenas cargas. Outros R$ 6,4 mil foram empenhados para veículos a serem utilizados em caráter eventual, isto é, conforme a necessidade de uma van, furgão ou ônibus executivo.


Atendimento O Superior Tribunal de Justiça reservou R$ 18 mil para a compra de 10 mesas para call center medindo aproximadamente 125cm x 80cm. As estações de trabalho são compostas por dois tampos reguláveis independentes, em mdf com espessura de 25mm e revestimento em laminado melamínico de alta pressão tipo madeira na cor argila em ambas as faces.


Encadernação O Tribunal Superior do Trabalho empenhou R$ 198,9 mil para despesa com a prestação de serviços de encadernação (um posto de trabalho com carga horária de 40 horas semanais) e de restauração (três postos de trabalho com carga horária de 40 horas semanais) de documentos.


Fonte: Contas Abertas Foto: Divulgação

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo