• Observatório Social

Levantamento revela desempenho educacional em Brusque, Santa Catarina e no país

Em comemoração ao mês em que são celebrados o Dia da Criança e o Dia do Professor, o Observatório Social de Brusque (OSBq) realizou um levantamento geral das taxas de escolarização e dos indicadores educacionais de Brusque, de Santa Catarina e do Brasil.


Segundo dados retirados do portal IBGE Cidades, na última pesquisa realizada nos municípios, em 2010, a taxa de escolarização de crianças entre 6 e 14 anos de idade era de 98% em Brusque; uma porcentagem parecida com a de Guabiruba, que registrou 97,6%, e Botuverá, 99%.


De acordo com a Secretaria de Estado da Educação de Santa Catarina, o município de Brusque possui 94 instituições de ensino, sendo elas 1 federal, 13 estaduais, 51 municipais e 29 particulares, englobando creches, educação infantil, ensino fundamental, ensino médio e ensino superior.


Com base nos dados do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb), entre as escolas públicas podemos concluir um melhor desempenho das escolas estaduais presentes no município. Em 2017, enquanto a meta projetada para o desempenho educacional estadual era de 6.3 nos 4ª séries/ 5º anos, a média observado em Brusque foi de 6.5. Já nas escolas municipais o desempenho educacional atendeu as expectativas apresentados para o mesmo ano, alcançando 6.3 na pesquisa.


Da mesma forma, em 2017, nas 8º séries/ 9º anos a meta projetada para as escolas estaduais foi uma média de 5.5, sendo que a média alcançada pelas escolas estaduais presentes em Brusque foi 5.2. Nas municipais o valor de média estipulado era de 5.6 e o observado, 5.0.


Escolas Estaduais (4ª série / 5º ano)


Escolas Municipais (4ª série / 5º ano)



Escolas Estaduais (8ª série / 9º ano)


Escolas Municipais (4ª série / 5 º ano)


Já em âmbito nacional, segundo o módulo de Educação da Pesquisa Anual por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD-Contínua), realizada através do levantamento nas instituições de ensino entre 2016 e 2018, no ano passado os indicadores educacionais registraram melhora. Porém, também foram encontradas disparidades regionais, de gênero e de cor e raça.


O levantamento apontou que o percentual de pessoas que concluíram, no mínimo, o ensino médio – educação básica obrigatória definido pela Constituição Federal – cresceu de 45% para 47,4% da população de 25 anos ou mais, entre os anos estudados. No entanto, variava de 53,6%, no Sudeste a 38,9% no Nordeste e era maior entre brancos (55,8%) do que pretos ou pardos (40,3%), bem como entre as mulheres (49,5%) do que os homens (45,0%).


Além disso, foi apontada uma faixa de escolarização do ensino fundamental (6 a 14 anos) e do ensino médio (15 a 17 anos), de 99,3% e 88,2%, respectivamente.


Segundo os Indicadores Educacionais das pessoas de 15 a 17 anos nas Grandes Regiões do Brasil, agora levantadas pelo IBGE, o Sul sofreu grandes alterações nos últimos 3 anos. Enquanto sua taxa de escolarização se encontrava em 4º lugar em 2016, a taxa apresentou uma queda drástica no ano seguinte, colocando-o em última posição entre as Grandes Regiões com melhor taxa de escolarização. Já em 2018 a região se recuperou, vindo a ocupar o 3º lugar da lista, com o mesmo desempenho do Norte.


Quanto a taxa de frequência escolar líquida, em 2018, o Sul também se encontrava em terceiro lugar comparado às outras Grandes Regiões.



Indicadores educacionais das pessoas de 15 a 17 anos, por Grandes Regiões - 2016-2018


links para dados:

https://cidades.ibge.gov.br/brasil/sc/brusque/panorama

http://serieweb.sed.sc.gov.br/cadueportal.aspx

http://ideb.inep.gov.br/resultado/resultado/resultado.seam?cid=6489122

https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-sala-de-imprensa/2013-agencia-de-noticias/releases/24857-pnad-continua-2018-educacao-avanca-no-pais-mas-desigualdades-raciais-e-por-regiao-persistem


9 visualizações0 comentário