• Observatório Social

Em números: como Brusque se posiciona no contexto estadual

Um levantamento realizado pelo Observatório Social do Brusque com base em dados das 15 maiores cidades de Santa Catarina traça um panorama da situação de Brusque no contexto estadual.


De acordo com dados de 2010 do IBGE, o município de Brusque ocupa a 12ª posição em número de habitantes em Santa Catarina com 105.503 pessoas, o que representa um crescimento populacional de 38,71% em 10 anos. Os dados mostram que o município foi o segundo que mais cresceu no período, atrás apenas da litorânea Balneário Camboriú que teve crescimento de 47,15%.


Entre os casos mais curiosos está o decréscimo na população de Lages, na serra catarinense. O município diminuiu 955 habitantes nos últimos 10 anos, e se observado o censo de 2007 a queda foi ainda maior, 4.856 habitantes a menos constam no levantamento do IBGE.


O levantamento aponta ainda que Brusque é o 11º município em arrecadações com R$ 197.095.789,24 em 2011, a frente de Palhoça, que possui população maior que a sua. O destaque fica para Joinville, maior cidade de Santa Catarina, que chegou a casa dos bilhões com R$ 1.199.483.139,67.


O cenário econômico do Estado pode ser observado através dos maiores consumidores de energia. A força industrial de Brusque a posiciona como 7º município consumidor de energia elétrica no Estado, a frente de cidades com população maior que a sua como Palhoça, São José, Criciúma e Lages.


Câmara de Vereadores


O legislativo de Brusque aparece na 10ª posição entre os que possuem mais gastos em relação à receita líquida arrecadada pelo município que representa. Em números totais, a Câmara de Vereadores fechou 2011 com despesas de R$ 4.029.036,71. Os números posicionam o município na 8ª colocação do ranking que indica quanto cada cidadão paga por ano para manter o legislativo, com R$ 3,82.


O levantamento mostra ainda disparidades em algumas cidades, como a Câmara da capital Florianópolis que possui despesas 46,66% maior que a de Joinville, apesar de sua arrecadação ser consideravelmente menor que a registrada pela cidade das flores. Cada cidadão da capital paga anualmente R$ 5,14, o terceiro valor mais caro do Estado.


O legislativo de Itajaí também possui altos custos em comparação com as demais cidades catarinenses. Como comparativo, a receita líquida de arrecadação da cidade é 21,92% menor que sua vizinha Blumenau, mas os custos com a Câmara de Itajaí são 22,20% superiores. Os moradores da cidade portuária pagaram no ano de 2011 o valor de R$ 7,10 para manter o legislativo, a carga mais alta de Santa Catarina.

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo