• Eliza Keren M da Silva

Brusque tem 31 obras inacabadas

OSBr realizou uma pesquisa referente as obras em Brusque. O município tem 21 obras em andamento e 10 obras paralisadas sendo cinco por falta de recursos federais e outras cinco por outros motivos.


A terraplanagem no loteamento Cyro Gevaerd foi iniciada no dia 10 de janeiro de 2013 e a data prevista para entrega é para o dia 28 de abril de 2016. Até agora, foram contratados R$ 1.260.852,06 sendo o custo inicial previsto de R$ 1.089.171,23. A UPA na Santa Terezinha também deve ser entregue no próximo ano, no dia 27 de fevereiro. O custo previsto foi de R$ 1.288.261,93, mas até o momento totaliza R$ 1.439.003,49, devido aos aditivos. A UBS no Zantão foi orçada em R$ 461.117,66 e já foram contratados R$ 6.027,54 a mais do que o previsto. A obra foi iniciada no dia 05 de novembro de 2014 e a previsão de entrega é para o dia 24 de junho de 2016.


A obra na CEI Hilda Anna Eccel no bairro Maluche começou no dia 14 de novembro de 2013. Já foi contratado R$ 1.834.621,70 superando o valor original, que era de R$ 1.346.029,64. A previsão de término é para o dia 14 de dezembro deste ano.


Outras obras que tem a previsão de entrega para dezembro de 2015 são o PAC de macrodrenagem na Bacia da Bateas e o PAC de macrodrenagem na bacia da Limeira. A obra de macrodrenagem na bacia da Bateas, que é realizada com recurso OGU, começou no dia 04 de setembro de 2013 com o valor original de R$ 1.054.294,61 e até o momento não ultrapassou a estimativa. A data para entrega é o último dia do ano, 31. A macrodrenagem na bacia da Limeira começou há três anos, mais precisamente no dia 01 de outubro de 2012 e tem a data prevista para entrega no dia 15. O custo da obra é de R$ 4.426.985,78 e está sendo realizada com recurso do FGTS.


O PAC de macrodrenagem na bacia São Leopoldo também conta com recurso do FGTS. A obra começou no dia 20 de janeiro de 2014 e orçada em R$ 10.211.195,41, mas já foram contratados R$ 112.202,93 a mais do que o valor original. A previsão de entrega é para o dia 01 de fevereiro de 2017.


Obras com alteração na data de entrega


As obras para construção de calçadas na rua Azambuja; a UBS do Rio Branco; a pavimentação na rua João Vikine; a pavimentação da rua Ribeirão do Meio; a pavimentação na rua Tormena, a pavimentação na rua ZT 013; o PAC de pavimentação na rua Nova Trento; o PAC de pavimentação nas ruas Dorval Luz e Itajaí; o PAC de pavimentação na rua DJ 003; o PAC de pavimentação das ruas Ângelo Luçolli e Nicolau Kohler; deveriam ser entregues em outubro deste ano. Mas as datas foram remanejadas. Das obras listadas acima, a grande maioria deve ser entregue no dia 15 de dezembro. Apenas a USB do Rio Branco que tem a data prevista de entrega para o último dia do mês de março de 2016.


A academia de saúde na Santa Luzia foi orçada em R$ 188.800,00 e contratado até o momento R$ 214.072,68. Iniciada em janeiro de 2015, ela deveria ser entregue até o dia 05 de novembro deste ano. A Vila Germânica III, teve data inicial de entrega para setembro, mas foi alterada para 30 de março de 2016. A obra foi orçada em R$ 433.032,31 e iniciada em junho deste ano. Até o momento o valor original não foi ultrapassado.


Obras paralisadas


Ao total o município tem 10 obras paralisadas. As cinco que faltam de recursos federais são a USB Emma II, localizada no bairro Limoeiro, a USB no bairro São Pedro, a USB na Limeira Alta. Estas estão previstas para recomeçarem em novembro. Já a Duplicação na Rodovia Antônio Heil e a Praça no bairro Azambuja ainda não possuem data definida para retorno.


A obra da avenida Beira Rio e Arno Carlos Gracher está parada por inadequação da metodologia construtiva. O PAC de pavimentação de calçadas nas ruas Sete de Setembro e Santos Dumont será relicitada, pois existem divergências entre o projeto e a planilha quantitativa.

A macrodrenagem na bacia da Primeiro de Maio/Poço Fundo aguarda recurso do Ministério das cidades. Outra alternativa que também está sendo aguardada é uma autorização da transferência de recursos da obra da bacia na Nova Brasília, esta também está paralisada pois foram encontradas rochas que não estavam descritas na planta do local, dificultado a continuação da obra.


A macrodrenagem na bacia da Azambuja encontra-se no aguardo da alteração do canal extravasor nas proximidades do Mercado Barateiro. A alteração foi encaminhada à Caixa Econômica Federal e já foi pré-aprovada, mas como a obra está atrelada a construção a bacia no bairro Nova Brasília.

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo