• Observatório Social

Índice aponta problemas na saúde pública de Brusque

Atualizado: 23 de Jul de 2019

A imprensa noticiou nos últimos meses que a saúde de Brusque tem uma das piores médias estaduais, segundo o Índice de Desempenho do SUS (IDSUS 2012). A fim de esclarecer população, o Observatório Social de Brusque fez uma pesquisa e explica essa avaliação, tomando como parâmetro as 15 maiores cidades, em população, de Santa Catarina.


O índice, disponível na página do Ministério da Saúde, tem como objetivo realizar uma aferição do desempenho do Sistema Único de Saúde (SUS) através do cruzamento de 24 indicadores. Estes dados se dividem em acesso aos serviços (potencial ou obtido) e a efetividade da Atenção Básica, das Atenções Ambulatorial e Hospitalar e das Urgências e Emergências. A pontuação de 0 a 10 está baseada na análise de dados repassados pelos municípios a base nacional entre os anos de 2008 e 2010.


É importante destacar que, em função da grande diversidade (demográfica, cultural, socioeconômica, geográfica, etc.) dos territórios do nosso país, não seria adequado realizar uma classificação que apenas posicionasse, em ordem crescente ou decrescente, os municípios brasileiros. Assim, para realizar uma avaliação mais justa, a análise comparativa das notas do IDSUS deve ser feita por meio dos Grupos Homogêneos. Apenas dentro deles, por apresentarem características similares entre si, é possível traçar um paralelo comparativo.


Nesse contexto, entre as 15 maiores cidades catarinense, Brusque é a pior classificada, conforme tabela disponível em nosso Acervo Digital. A cidade aparece entre os três municípios com pior avaliação em 8 quesitos, o que comprometeu a média final.


Para a pontuação são considerados 5 grandes grupos de avaliação:


1. Atenção Básica - Acesso potencial ou Obtido; 2. Atenção Ambulatorial e Hospitalar de Média Complexidade - Acesso potencial ou obtido; 3. Atenção Ambulatorial e Hospitalar de Alta Complexidade, Referência de Média e Alta 4. Complexidade e Urgência e Emergência - Acesso potencial ou obtido; 5. Atenção Básica - Efetividade; e Média e Alta Complexidade, Urgência e Emergência - Efetividade


Analisando o desempenho de Brusque em todos os critérios, a cidade se destaca positivamente nos seguintes pontos:


- Proporção nascidos vivos de mães com 7 ou mais consultas de pré-natal (Brusque, Lages e Tubarão tiveram as melhores médias entre as 15 maiores cidades);

- Razão de internações clínico-cirúrgicas de média complexidade e população residente (Brusque e Lages aparecem na terceira colocação entre as 15 maiores cidades);

- Brusque é a quarta cidade em proporção de acesso hospitalar dos óbitos por acidente entre as 15 maiores cidades;

- 10 das 15 maiores cidades têm pontuação máxima no quesito Proporção de Internações Sensíveis a Atenção Básica ISAB, inclusive Brusque;

- Brusque e outras três cidades, entre as 15 maiores, têm pontuação máxima na proporção de cura de casos novos de tuberculose pulmonar bacilífera;

- 9 Cidades das 15 maiores alcançaram nota 10 na proporção de cura de casos novos de hanseníase, Brusque inclusive;

- Todas as maiores cidades de Santa Catarina conseguiram nota máxima no quesito proporção de exodontia em relação aos procedimentos, com exceção do município de Caçador.


2 visualizações0 comentário